O Dia Mundial da Água foi instituído pela Organização das Nações Unidas – ONU, em 1993, determinando que o dia 22 de março seria a data oficial para comemorar e realizar atividades de reflexão sobre o significado da água para a vida na Terra. Neste mesmo dia, a ONU lançou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que apresenta entre as principais normas: a água faz parte do patrimônio do planeta; a água é a seiva do nosso planeta; os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados; o equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos; a água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores; a água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo; a água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada; a utilização da água implica respeito à lei; a gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social; o planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.
Normas à parte, resume-se que – e disso sabem os homens – sem água o homem, os animais, a natureza, a vida não existiriam na Terra. E, ainda assim, numa teimosia extremada, boa parte da população da Terra agride a água de todas as maneiras – mais corriqueiras são a poluição, o gasto exagerado e os desastres criminosos em consequência da ganância de empresários, como ocorre com as mineradoras que colocam em risco permanente dezenas de cursos d´água, muitos deles de suma importância para a vida.
Mais à parte, ainda, lamentavelmente está a leniência de governantes, ao longo dos anos, quanto os danos causados pelos homens (empresários irresponsáveis, sobretudo) à água. E fica-se, continuamente, na falácia e desperdício do dinheiro público para discutir óbvias questões, faltando o essencial: a ação.

Campartilhe.

Comentários desativados.