BARES ZERO ÁLCOOL, UMA TENDÊNCIA

0

Adalgisa Botelho de Mendonça

Nada a ver com aqueles coquetéis de frutas adocicados ou o chá gelado com limão. Os drinks sem álcool estão se multiplicando em bares de todo o mundo, mas são tão elaborados quando os outros. É que a onda dos teetotalers, gente que está tirando o álcool do cardápio do mesmo jeito que os veganos excluíram tudo o que tem origem animal, vem crescendo. Em vários desses bares, os coquetéis incluem bebidas funcionais como kombucha, switchel, smoothies, lassis. Talvez seja Londres a capital com mais opções para uma noitada abstêmia, mas em São Paulo elas começam a aparecer, assim como no Rio de Janeiro e outras capitais.
Mocktails os drinks sem álcool estão em moda, feitos principalmente com sodas artesanais, sucos de frutas, méis raros e pode custar tanto ou até mais do que as alcoólicas. Elas são feitas com chás, xaropes artesanais, frutas secas, soluções salinas.
Têm muita gente que não bebe e não quer ficar só no suco. A ideia é que o coquetel tenha a complexidade de um com álcool, que vá num copo bonito, com uma decoração diferente, vistosa, não é apenas uma mistura de sucos e frutas. A bebida é preparada de acordo com o paladar do freguês, mais amarga, cítrica, frutada, doce, refrescante (água de coco, maracujá, limão siciliano, cacau, cumaru, hortelã, frutas vermelhas, gengibre, cúrcuma, salsa, xarope de amêndoa, canela, suco de uva, água Perrier, pimenta, água de hibisco, capim santo, manjericão, baunilha, tangerina, maracujá, pitanga, abacaxi, caju, açaí… e até fruta desidratada), cada pessoa escolhe a combinação conveniente.
Além dos coquetéis, há também outras opções:
Kombuchas (bebidas fermentadas sem álcool – limão com gengibre, chá mate com gengibre, hibisco com abacaxi, hibisco com frutas vermelhas) já vêm prontas em garrafas, como um refrigerante.
Smoothie, bebida cremosa não alcoólica feita a partir de frutas batidas, chás, produtos lácteos (podendo também ser de leite de soja ou castanhas e/ou sorvete).
Lassis, bebida tradicional da Índia, feita a partir de iogurte aromatizado, frutas e gelo picado; pode ser doce ou salgada.
Switchel, isotônico natural feito a partir de vinagre de maçã, raspas de gengibre, mel e água. Como essa bebida contém muitos minerais, ela regula o metabolismo, equilibra o PH do corpo, melhora a digestão e concentração e reduz dores musculares.
Na nossa sociedade, o coquetel é um instrumento de sociabilidade, seja ele com ou sem álcool. O freguês quer algo mais que um simples refrigerante.
Nas grandes cidades, os bares costumam funcionar como uma segunda sala de estar para quem mora em apartamentos com pouco espaço; uma opção de vida noturna sem álcool pode atrair uma clientela que prefere não beber.
Há uma onda mundial crescente de casas noturnas que atendem especificamente pessoas que estão evitando o álcool, mas ainda querem sair e socializar em espaços tradicionalmente dominados pela bebida.
Bares que não vendem álcool não são um conceito novo. No fim do século 19, uma série de bares sem álcool, conhecidos como temperance bars (bares de temperança) foram estabelecidos no Reino Unido, na esteira do movimento de temperança, que pregava a abstinência.
Mas a diferença em relação à onda atual de bares sem álcool é que eles não estão enraizados na ideia de abstinência total. Não é exclusivamente para quem não bebe.
No entanto, faltavam opções para pessoas que queriam sair com os amigos sem ter que pedir um refrigerante, enquanto todos os outros tomavam drinques elaborados.
Talvez, como o cigarro que, aos poucos, foi abandonado pela população, a ideia da bebida sem álcool venha pegar, a moda de corpo saudável fica cada dia mais forte.

Campartilhe.

Comentários desativados.