CANTINHO DA POESIA

0

RÉQUIEM AO AMOR

O amor sucumbe-se ferido pela incerteza.
Morre, mas o sonho vive como sua semente.
Não há canto de dor em suas exéquias,
pois dele sempre restará a saudade.

No mundo abissal
a vida pode ser retificada
como o fruto que se desmancha
para libertar a semente;
se vais agora à escuridão
serás luz, pois tens memória.

Tu estiveste nas estrelas trêmulas
e no espelho da lua cheia;
tu brotaste na fonte da vereda
e escorreste entre pedras, nos regatos;
tu foste seixos nos rios,
em busca de teu mar;

Tu foste acordes de sinfonias,
libertando as asas da alma.
Agora visitas a terra,
mas será por um instante;
breve ressurgirás no brilho das estrelas,
pois criastes sonhos.

Não te culpes,
nem deixes que te assome a mágoa;
curva-te, antes aos desígnios,
se buscaste abrir uma porta
– a porta mais querida e sonhada –
e não foste realizado.

O imponderável foge à tua luz.
Contenta-te, porém.
foste fonte de sonhos,
alimento de muita alegria.
Não te encerres na tristeza,
pois levas contigo a saudade.

Viveste, muito viveste.
Agora, desça ao abismo,
prepare teu renascer, tua viagem às estrelas.
É retificando que encontras o caminho,
a luz revigorante. Iluminati.
Descanse em paz. Amém!

João Naves de Melo

Campartilhe.

Comentários desativados.