FESTA DO PADROEIRO

0

Festejar São José tem muito a ver com a nossa história. De fato, em 1866 ocorreu a emancipação eclesiástica da Paróquia de Contendas (Brasília de Minas), criando-se a paróquia de São José (Lei nº 1.356, de 6/11/1866). Com a criação dessa paróquia, o povoado Pedras dos Angicos passou a ser denominado Vila de São José das Pedras dos Angicos. Consequentemente, São José tornou-se o padroeiro de São Francisco.
E por que recebeu o nome de São José? A origem do nome está nas brumas do tempo, não há registro. Sabe-se apenas que, em 22/9/1867, por aqui passando, o viajante inglês Richard Burton a ela se referiu como “capelinha de São José, padroeiro da localidade” e o engenheiro Teodoro Sampaio, em 3/12/1879, fez o desenho de uma igrejinha plantada no alto do rochedo à qual se referiu como uma “modesta igreja que aqui serve de matriz”.
Quando da criação da cidade de São Francisco, em 5/11/1877, a igrejinha era a mesma; outra foi levantada para Santo Antônio em um largo, hoje praça Centenário. Mais tarde, 1900, os fiéis entenderam que São José deveria ter uma igreja maior e melhor e deram início à atual igreja. Anos se passaram e nada, a nova igreja ficava pelas metades; chegou, em uma ocasião especial, a ter tapumes, à guisa de parede, de tecidos. Em 1935, foi retomada a construção estando à frente da paróquia o padre José Ribeiro do Vale. Enfim, no dia 22 de abril de 1936, totalmente concluída, a igreja foi inaugurada com a celebração da Santa Missa pelo padre José Ribeiro, presentes o prefeito Oscar Caetano Gomes, o coordenador da obra Sancho Ribas e o construtor Antônio Garibaldi.
Os anos foram correndo e correndo; em 1972, com o padre Vicente Euteneur à frente, foi iniciada a primeira reforma da matriz de São José. No período da reforma, as missas eram celebradas na igrejinha de São Félix, no correr da semana, e aos sábados e domingos, no Centro Cultural Católico.
A matriz antiga tinha três naves e um belíssimo altar, considerado dos mais belos de Minas. As naves deram lugar a apenas um vão imenso e o altar foi removido, erguendo-se um moderno em seu lugar. Não se tem notícia do destino do velho altar.
O padre Genivaldo Lopes Soares, que foi responsável pela Paróquia no período de 2009 a 2015, promoveu um intenso trabalho, atraindo grande número de fiéis e, com apoio deles, procedeu à segunda e grande reforma da matriz, constando de piso novo, forro e troca de bancos, mais modernos e confortáveis, além da instalação de um novo sistema de som.
Uma tradição, em São Francisco, é a comemoração do dia do padroeiro, 19 de março. Muita festa, belas e movimentadas quermesses, numa volta ao passado. Novena, barraquinhas, levantamento do mastro, procissão e missa festiva.
Neste ano, a comemoração, nos mesmos moldes, está sendo realizada neste fim de mês, devendo encerrar-se com a celebração de Missa Festiva no dia 1º de Maio, Dia de São José Operário (a mudança se deu em razão das solenidades litúrgicas da Quaresma).

No correr da última semana de abril a paróquia de São José cumpriu uma programação especial para festejar o santo: novenas, celebrações de missas, quermesses e shows com bandas locais.
No domingo 28, a comunidade católica recebeu a visita do bispo diocesano dom José Moreira que celebrou a Santa Missa da noite.
Dia 1º será celebrada a missa festiva em honra ao padroeiro

Campartilhe.

Comentários desativados.