NA VIA ERRADA

0

Surpreendentemente! O prefeito Veim  editou um decreto determinando a reabertura das escolas municipais no início do mês de agosto afirmando que o fazia com apoio da Câmara Municipal. A reação veio logo: a Câmara reuniu-se extraordinariamente e desautorizou o prefeito afirmando que não apoiava a medida, pelo contrário, a reprovava. Os edis agiram com bom senso e responsabilidade, pois a medida poderia colocar em risco a saúde de crianças, professores, servidores das escolas, motoristas dos ônibus de transporte escolar e familiares dos estudantes. De fato, não há notícia de que o risco de contaminação pela Covid 19 já foi superado. É verdade que  em alguns estados já tenham sido reiniciados os campeonatos de futebol, mas isso tem sido feito com todo cuidado e sem público. O mesmo tem ocorrido em certas igrejas com a celebração de missas presenciais, mas com número reduzido de fiéis e com muito cuidado.  Não seria o mesmo com o funcionamento das escolas onde os alunos estariam concentrados muito proximamente em dois momentos: nos ônibus e nas salas de aula. O vereador Sargento Edmilson, ouvido a respeito, declarou que a notícia causou espanto e indignação na Casa, pois o momento não era do relaxamento das medidas protetoras contra o coronavírus. Lembrou que São Francisco é uma cidade desprotegida, não há barreiras de entradas  supervisionando a chegada de pessoas de outros municípios; que o hospital não está preparado para enfrentar um surto da pandemia e lembrou, ainda, que recurso foi liberado para aquisição de leitos e respiradouros, mas o município ainda não conseguira adquiri-los. O vereador adiantou que a Câmara apurou que a determinação do prefeito em reabrir as escolas foi em vista da pressão de proprietários de ônibus do transporte escolar, que estão sem receitas. Assim, por decisão unânime, a Câmara levou ao prefeito a imposição de rever a medida sob pena de serem tomadas as medidas concernentes.

Campartilhe.

Comentários desativados.