O TEMPO

0

Giovanni

Onde ficaram meus sonhos?
O brilho dos meus olhos?
A minha inocência?
Onde vou encontrar o eu-menino?

E não vejo o muro de barro
Coberto de musgo,
Que com desvelo levava
Para montar o presépio!

E as mamoneiras dos terrenos baldios
Onde eu era Tarzan?
E pipa a colorida
Balança em que espaço?

Os dedos arrebentados nas pedras,
Não tenho;
Os galos incômodos na testa,
Não passam de lembranças.

Os vergões do marmelo nas pernas,
Não vejo.
Ainda que doessem
Hoje são somente lembranças.

Campartilhe.

Comentários desativados.