TÓPICO: DOIS EVENTOS SINISTROS

0

Dois gigantescos desastres marcaram a história da humanidade entre dois mil e dezoito e este ano: os incêndios que destruíram o Museu Nacional no Rio de Janeiro e a Catedral Notre-Dame de Paris.
Duas imensas perdas do patrimônio histórico-cultural de grande importância para a humanidade, em especial a Notre-Dame.
As duas tragédias tiveram diferentes repercussões quanto às reações nos dois países – Na França, dia imediato à tragédia, o governo anunciou que a catedral seria reconstruída e determinou a data da conclusão da obra. Recebeu imediato apoio de empresários franceses. Revela, o fato, o espírito de um povo em respeito à sua história e cultura.

A história da Catedral de Notre-Dame precisa ser contada nas escolas. Não é simplesmente um monumento que foi destruído pelo fogo – foi parte importante da história da humanidade. A sua construção começou em 1163 às margens do Sena por aldeões. Paris uma pequena vila. 180 anos depois foi concluída.
Alguns dados significativos: vinte e sete monarcas passaram por ela. As cerimônias de beatificação de Joana D´Arc foram realizadas nela. Ela recebia 13 milhões de visitantes, o dobro do total anual registrado pelo Brasil. Imediatamente ao sinistro as doações para reergue-la chegaram à soma de R$ 2,6 bilhões.
Não é só isso. A catedral foi construída, metro por metro, com profundo espírito religioso, buscando uma ligação do homem com Deus. Tem, em suas paredes, parte da alma de seus construtores e apoiadores. Então, foi levantada uma dúvida: se a restauração de um monumento não rouba a sua alma. Talvez não, como pontua a arqueóloga Claire Smith: “Se a nova edificação for feita com amor, e acredito que será, a catedral manterá seu ambiente e seu espírito”.
E o Museu Nacional do Brasil? Bem, aqui nem se fala mais no assunto. O alcance cultural ainda não amadureceu, pois muita gente vê museus e prédios antigos e históricos como velharia.

Campartilhe.

Comentários desativados.